Seja bem-vindo! Hoje é

A riqueza das línguas indígenas



Segundo estudiosos e pesquisadores das áreas linguísticas,existiam no Brasil em 1.500 entre 1.200 a 1.500 línguas indígenas, quando Pedro Álvares Cabral chegou a Porto Seguro, no Atual estado da Bahia.Destas, somente 180 ainda são faladas hoje e delas mais de 40 estão ameaçadas de extinção em curto prazo por números reduzidos de falantes,uns dos motivos seria que, algumas etnias estariam substituindo por outras línguas majoritárias, outros povos já perderam completamente as línguas originais, é importante saber que a qualquer momento uma língua indígena pode estar sendo falada pela ultima vez, com é o caso da língua xipaia, do povo Xipaia no estado do Pará, que em 2.006 contava apenas uma pessoa de idade avançada como falante, quando ela falecer, levara consigo parte da história de seu povo,é relevante a diversidade lingüística, pois ela é um instrumento de reprodução, produção e transmição de conhecimentos próprios, valores étnicos que só devem ser passados naquela língua em particular, ela é um sinal de identidade étnica, mas não é a única, e também ao lado de outros elementos culturais, como a relação com a terra, a ancestralidade cosmológica, tradições culturais, os rituais e cerimônias .
Sabendo desta importância percebe-se que no período colonial foi imposto o monolinguismo, que negava-se a aceitar a língua dos povos indígenas, oprimindo-as de qualquer forma, a língua falada ou escrita é um poderoso instrumento de liberdade, de autonomia, de felicidade,do ponto de vista individual e coletivo, não foi o caso que os índios foram considerados o principal instrumento para dizimar as línguas indígenas foram as escolas, ela esmagou, arrasou, ignorou conhecimentos, perseguiu e proibiu culturas, tradições, ritos e cerimônias, seguia com rigor o monolinguismo no Brasil, a proibição e perseguição das línguas indígenas resultaram prejuízos socioculturais e identidários para esses povos, somente em 1970 a partir da mobilização emergente com o apoio de movimentos indigenista e indígena autônomo, que pressionou o estado acusando-o da prática do étinocídio, os professores indígenas começaram a se organizar, junto com as outras lideranças locais, a assumir os rumos das escolas instaladas em aldeias, em 1988 a constituição federal estabeleceu princípios de pluriétnicidade do país reconhecendo as línguas indígenas e seu direito, seus próprios processos se educação, iniciou-se então o rico período atual de surgimento de escolas, professores, e materiais didático bilíngüe, valorizando ainda mais as línguas, tradições e o mundo cultural indígena,fazendo resurgir novamente toda a história
Ronildo Terena

Um comentário:

kesia disse...

oi guri não sabia que vc tinha um blog